segunda-feira, 20 de agosto de 2012

Mindim

JÓIA É
GARÇA
MINDIM



Com o fim da safra dos chuchus, marido e eu retiramos todas as folhas e ramos secos limpando toda a área. A seguir a arara Lu pousou  no guarda-corpo da sacada com ar de inquietação porque a arara Dé ainda não havia retornado. Depois, Iara na garupa de sua bicicleta chegou perto da Lu com uma freada brusca. Recompostos do susto eu disse :
- Não fique triste Lu. Fiquei sabendo que a linda anfitriã está empreendendo uma viagem e certamente deve ter pedido para que Dé ficasse lá até o seu retorno. Estou apreensiva agora com a Lili que ainda não voltou.  E olhando depois para Iara, perguntei.
- Quando Lu e Dé retornaram do Amazonas trazendo os haicais do amigo Bento Sales eles me disseram que viram você  e a sua irmã Lili pedalando de bicicleta pelos estradas exuberantes de lá, próximo ao grande rio. O que me diz sobre isso?
- Percorrendo quase toda a extensão do rio de barco e também por terra constatamos que ele nasce no Perú, entra no Brasil com o nome de Solimões e  depois de unir-se ao Rio Negro recebe o nome de rio Amazonas. Vimos de perto a Pororoca e maravilhados com tanta biodiversidade decidimos então continuar a nossa viagem até São Luis do Maranhão e fomos parar no Porto de Itaqui onde um transatlântico estava prestes a zarpar rumo á Europa. Foi humanamente  impossível resistir á tentação de não  embarcar.  Respondeu Iara.
-Tudo bem.  Você trouxe lindos poemas de um grande poeta. Fico eternamente grata mas, e a sua irmã?  Você a deixou sozinha no país irmão.  Será que ela vai demorar?
- Aquele país é muito diferente daqui. Lá parece reinar muita paz. Pode-se caminhar sem pressa,  visitar muitos lugares e muitos poetas. Com certeza Lili não voltará tão cedo. Disse Iara.
-Já que é assim quero que conheçam uma garça. Eu disse.
- Uma garça? Indagou Lu abrindo as suas asas de contentamento.
- Sim uma garça que enviei á Luna Di Primo e ela me devolveu poetisado de Mindins.
- Mindins.  O que são Mindins?  Indagou Iara com a paciência que lhe é peculiar.
- Mindins são pérolas criadas por Luna . Eis, os que ela me enviou: 


A garça
Branca
Voa

Busca
Campos
Outros

Outras
Águas
Rios

A pescar
Suas
Presas

- Gostaram? É uma cadeia poética.

- Sim são lindos, mas acho que eu já vi uma garça semelhante a essa numa outra página, mas com haicai. Disse a arara Lu.
- Você está certa. É no blog de uma grande haicaista do sul que admiro e que mostrarei em outra ocasião.
- Mas Mindim é isto. Continuei.
Brincar com as palavras. Assim define  Luna Di Primo, criadora de Mindim uma modalidade poética menor que o haicai feito em três versos
e em cada verso não pode ultrapassar duas sílabas. Mindim difere do haicai tradicional feito também com três versos , mas composto por cinco, sete e cinco sílabas tônicas




Segundo Luna, o Mindim pode ou não ter um título.


 Cadeias poéticas como:

 Luiz Gonzaga canta

"Sabiá
Vem cá
Também

Tem
Pena
D'eu"

Me diz
Do meu
Amor

 Alvo...
Puro
Cetim

Assim...
O meu
Mindim

 
Mindins de Luna Di Primo

  video

  Haicais de Elisa Campos

  video

                             

ESPERO QUE GOSTEM
UM BOM DIA

quarta-feira, 1 de agosto de 2012

A ARARA E A MENINA DE BICICLETA

DEDICADO HOJE Á JORGE PIMENTA



Sétima viagem

Finalmente voltei ao meu recanto. A cena que vi me intrigou outra vez. Era a arara Luana tagarelando com uma das gêmeas de bicicleta. Cheguei a ouvir um trecho da conversa.
- Meu nome agora é Lu e o seu?
- O meu é Iara e o da minha irmã gêmea é Liliana. Mas pode chamá-la de Lili. Disse Iara.
- Iara e Lili. Por quê dois nomes tão distintos? Indagou Lu.
- Eu nunca pensei nisso. Acho que é porque somos diferentes de temperamento. Só temos afinidades de parentesco. he he he. Respondeu Iara.
Quando elas me viram no patamar da escada ficaram surpresas e Lu piscando para Iara me perguntou:
- Aonde esteve todos esses dias ? Já estava sentindo a sua falta.
- Tive muitas questões pendentes para resolver e só hoje pude voltar. Respondi.
- Mas agora estou aqui e também não entendi a razão de você Iara haver voltado sem a sua irmã.
  Tem a arara André, digo Dé que ainda não retornou. Também as rosas, os carrinhos e a Lili! Cadê a Lili? Completei.
Depois de alguns segundinhos de silêncio Iara explicou.
- Zarpamos, eu e a minha irmã num navio e fomos desembarcar no outro lado do oceano. Depois pedalamos dias e dias conhecendo cidades históricas com arquiteturas muito bem cuidadas.
Lá tem uma infinidade de poetas para visitar. Por conta disso Lili resolveu ficar e eu voltei com dois poemas.
- Só dois poemas?
- Sim. Você bem sabe que na garupa de uma bicicleta não comporta tudo que gostaria de trazer.
- Vejamos então o que você trouxe ! Eu disse.


-Eis aqui. Não parece um haicai? Disse Iara com ar de empolgação.
-Sim. É maravilhoso eu respondi.
-E tem mais.
-Tem mais?
-Sim. 


 ............." Mas sempre acreditei em girassóis
e em altares que acendem estrelas na carne:
Só as pétalas embalam o lençol
porque se o amor é fórmula,
todo ódio é medo
e das flores apenas conhece o plástico.

é tempo de pintar lábios grossos e revisitar Van Gogh:
O girassol junto à boca humedece a linha do fogo" 
.........



- Mas esse também é um dos grandes poemas do Jorgíssimo. Eu disse.
- Este blog teve que ser removido,mas fica aqui registrado o carinho e admiração dos amigos pelo grande poeta que é o Jorge Pimenta.


JORGE PIMENTA É POETA E PROFESSOR DE BRAGA/PORTUGAL A QUEM CHAMO CARINHOSAMENTE DE JORGÍSSIMO NO BLOG "VIAGENS DE LUZ E SOMBRAS"
Seus poemas soam como gritos, orações e magistrais canções. São reflexivos, ricos em metáforas e metonímias que só me acrescem. E um dia Deus iluminou este poeta.


É tempo de pintar
Os lábios grossos carmesins
Com flores de Querubins

Jorgíssimo
Quantas vezes precisaremos revisitar Van Gogh?



video



ESPERO QUE GOSTEM
UM BOM DIA PARA TODOS
BEIJOS